Gestão Integrada de Saúde Ocupacional (GISO)

A saúde dos trabalhadores está em foco nos dias atuais. Nesse sentido, ocorre um aumento no número de empresas que se preocupam com a qualidade de vida e com a segurança e saúde de seus trabalhadores. Isso se deve à visão mais humanizada do empregador e também aos custos elevados que a área de saúde e segurança geram para as empresas. Assim, uma boa Gestão de Saúde ocupacional tem se tornado fator de sucesso para as organizações que visam resultados positivos e máxima eficiência na utilização e alocação de recursos. Para isso, as empresas devem contar com sistemas de informações integrados e indicadores de gestão que acompanhem em tempo real os dados de saúde dos trabalhadores.

Nesse contexto, as instituições têm buscado desenvolver e implementar ações voltadas para a melhoria da segurança e saúde ocupacional e promoção do bem-estar dos trabalhadores.

Passado e Presente

Na visão atinga de Saúde Ocupacional, as empresas atuavam em duas frentes distintas: Segurança e Saúde do Trabalhador (SESMT) e Plano de Saúde e benefícios voltados ao bem-estar dos empregados. Em várias ocasiões essas áreas não se relacionavam levando à desintegração de ações, dificultando a análise de dados de saúde e por consequência a gestão empresarial.

Na Gestão Integrada de Saúde Ocupacional (GISO) temos a visão completa da saúde dentro das empresas através da unificação de dados de saúde dos trabalhadores. Isso favorece ações voltadas à saúde e ao bem-estar dos trabalhadores, tornando a gestão mais efetiva.

As empresas que entenderam esse conceito e desenvolveram projetos utilizando essa visão, obtiveram resultados significativamente superiores no manejo da saúde dos seus colaboradores. O sucesso vem em redução de custos e acima de tudo, em melhora de qualidade de vida e saúde dos trabalhadores. Isso gera redução de absenteísmo e ao aumento de produtividade e de satisfação dos empregados.

Como obter os dados de saúde dos trabalhadores?

A empresa precisa ter visibilidade sobre os dados vindos de diferentes fontes:

  • Atestados médicos
  • Relatórios médicos para afastamento pela Previdência Social
  • Afastamentos pela Previdência Social
  • Exames ocupacionais
  • Sinistralidade do plano de saúde

Na Gestão Integrada de Saúde Ocupacional (GISO) o gestor unifica esses dados, realizando a análise global e direcionando as ações que promovam a melhora dos indicadores de saúde e bem-estar organizacional.


Os indicadores são fundamentais para orientação de projetos, sendo prioridade no acompanhamento das ações pelos gestores. Devido a diversidade dos dados e das fontes, a junção e criação de métricas para análises desses indicadores é uma tarefa complexa. Assim, ferramentas que quantificam os resultados são indispensáveis para demonstrar que os investimentos na saúde e na segurança dos trabalhadores contribuem significativamente na melhoria da performance empresarial, reduzindo os índices de absenteísmo, rotatividade e acidentes de trabalho e melhorando a produtividade e a satisfação dos trabalhadores.

Como está a Gestão em Saúde da sua empresa?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.