Saiba quais as vantagens da vacina da gripe para os seus funcionários


De acordo com a Norma Regulamentadora n° 32, item 32.2.4.17.1 do Ministério do Trabalho e Emprego, a vacina da gripe deve ser gratuita ao empregado e cabe ao médico do trabalho definir em seu Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) as vacinas indicadas para cada trabalhador, levando em conta os riscos biológicos específicos aos quais seus funcionários estão expostos.

Com início da campanha de vacinação para influenza (gripe) pelo SUS, as empresas questionam se devem fornecer essa vacina para os seus trabalhadores. Nesses sentido, se faz necessário a compreensão sobre as vantagens da vacinação.

Vantagens da Vacinação

A imunização é considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma das intervenções de saúde pública com maior impacto na saúde mundial, agindo na prevenção de doenças infecto-contagiosas.

Na saúde ocupacional, a vacina é uma das principais aliadas pois permite a partir de ações simples e de baixo custo, alcançar os seguintes objetivos:

  • Promover saúde ao trabalhador;
  • Reduzir os diagnósticos de gripe e suas consequências;
  • Evitar a disseminação da doença entre seus colaboradores;
  • Diminuir o índice de absenteísmo no polo de trabalho;
  • Diminuir o índice de Presenteísmo no polo de trabalho;
  • Reduzir sinistralidade, evitando uso do plano de saúde corporativo;
  • Aumentar produtividade no setor;
  • Melhora na qualidade de vida do trabalhador;
  • Melhora do clima organizacional através do sentimento de valorização do funcionário.

Quanto menor é o comprometimento da saúde do trabalhador, maior é sua qualidade de vida e por consequência, maior é a sua produtividade.

Influenza (gripe)

A gripe é uma das viroses mais frequentes no mundo. A infecção pelo vírus influenza ocorre desde o início da humanidade e suas pandemias e surtos já dizimaram um grande número de pessoas.
Dados da OMS indicam que cerca de 10% da população é infectada anualmente pelo vírus influenza, sendo que, 1,2 bilhão de pessoas apresentam risco elevado para complicações decorrentes da doença.

No Brasil, segundo dados da Sociedade Brasileira de Imunização (SBIM), no ano de 2018, os óbitos em decorrência do vírus H1N1 somaram 67,5%, ou seja, um total de 567 óbitos. Já os demais subtipos representaram 335 casos e 46 mortes por influenza B e 41 casos e 86 óbitos por influenza A.
O estado de São Paulo representa o estado com o maior número de óbitos, somando um total de 42,1% do verificado no país.

Quanto à epidemiologia, é um mito que a doença seja mais prevalente em idosos e crianças, na verdade a média de idade de acometimento pela influenza é 37 anos (dados da SBIM). Esse equívoco ocorre porque a doença tem maior chance de desencadear agravamentos à saúde em populações de risco, como adultos com mais de 60 anos, gestantes, puérperas, crianças com menos de cinco anos e indivíduos que apresentam doenças crônicas, justificando o grupo prioritário para vacinação.
Assim sendo, pessoas de todas as idades são suscetíveis à infecção pelo vírus influenza, inclusive os seus funcionários.

Lembrando que a transmissão ocorre através de secreções das vias respiratórias, que pode ser por contato pelo ar (fala, tosse ou espirro) ou via objeto contaminado. Assim sendo, a higienização correta das mão é um bom meio de prevenção de gripe.

Vacina de Influenza

As vacinas da gripe disponíveis no Brasil são de vírus mortos, ou seja, não causam a doença. São vacinas seguras que devem ser ministradas antes do início do período frio, época de maior ocorrência da gripe.
Muitos alegam apresentar a chamada “reação” à vacina, porém, o que pode justificar essa situação é o fato de a vacina demorar alguns dias para surtir efeito e, portanto, abrir uma janela entre a data da vacinação e o dia de início da sua ação, permitindo que o vírus da gripe se manifeste no nosso corpo.

A vacina está disponível em postos de saúde e centros de imunizações.
No sistema público, ela é indicada para grupos de risco específicos e na rede particular, ela pode ser ministrada para população em geral, desde que tenham mais do que 6 meses de idade.

Assim, para vacinar os funcionários, a empresa deverá encaminhá-los à rede pública (em casos indicados), a um serviço privado de vacinação ou,
caso desejado, a vacinação também poderá ser realizada dentro da própria empresa através de um serviço especializado de saúde.

Lembre-se: a empresa não tem obrigação de fornecer a vacina da gripe, no entanto, as vantagens apresentadas para o trabalhador e consequente para o empregador deverão ser avaliadas!